Pedra da Gávea – tudo o que você precisa saber sobre a trilha e o rapel

No último post sobre o Rio de Janeiro, falei sobre a trilha da Pedra Bonita. Ela que tem uma das vistas mais bonitas do Rio, também tem vista para a Pedra da Gávea.

Olhar para a Pedra da Gávea é o mesmo que olhar para o seu próximo objetivo, seu próximo desafio. Enquanto que a trilha da Pedra Bonita é de nível moderado, a sua vizinha Gávea é difícil!

Põe difícil nisso, principalmente para quem nunca escalou ou tem medo de altura. Isso porque a etapa final dessa trilha é necessário escalar um paredão, chamado de Carrasqueira. A primeira vista dá medo, mas é esse medo que impede de continuar e ver que, na verdade, é bem mais simples. Felizmente, para quem não tem coragem de escalar, tem o rapel bem do lado (depende se o Formiga estará lá).

Mas vamos por partes…

 

Sobre a Pedra da Gávea

Vista da Pedra da Gávea a partir da Pedra Bonita

Ela tem esse nome por causa da sua semelhança com a gávea, o cestinho que fica nas caravelas dos navios portugueses. Além de parecer com esse cesto, um dos lados parece um rosto (observe bem na foto acima). Esse rosto era chamado também de Metaracanga, a cabeça enfeitada.


Curiosidade: A Pedra da Gávea é o maior bloco de pedra à beira mar do mundo.


 

Como chegar

O nome é Pedra da Gávea mas a entrada da trilha não fica no bairro da Gávea, e sim na Barra da Tijuca. Para chegar ao início da trilha, tem que passar por dentro de um condomínio na Barrinha, perto da Estrada do Sorimã.

Ônibus: Pegar o ônibus Jardim Oceânico (L1, L4) e descer em São Conrado para pegar o ônibus 557 – Rio das Pedras. Desça na Avenida Vitor Konder e prossiga andando até a Barrinha. Ou desça na Estrada do Sorimã e prossiga caminhando.

 

A trilha

Logo no começo, ainda na guarita é preciso escrever em um caderninho seu nome e telefone. Isso por segurança caso alguém se perca, por exemplo.

A subida de quase 3km é íngreme e é de subida constante! A primeira parte por terra costuma ser um bom aquecimento pois em seguida a subida será por raízes de árvores. Essas raízes praticamente formam uma escada natural.

Pedras e galhos de montão

No meio do caminho até a Pedra da Gávea, tem um paredão que se sobe por escalaminhada e, um pouco mais para frente, te ajuda de ferros presos ao chão. Logo em seguida aparecem várias pedras. Sim essas pedras tem que dar um jeitinho de subir também. Parece um pouco complicado mas dá para passar “tranquilo”. São nessas pedras que tem uma fonte de água que pode-se beber, inclusive aproveite para encher a garrafinha.

Duas horas de subida mais ou menos, dependendo do seu ritmo, é o tempo até chegar em frente ao objetivo maior: escalada!

 

Carrasqueira

Escalada

Tem que ter coragem para escalar a Carrasqueira, um verdadeiro paredão de pedra de, mais ou menos, 30 metros de altura.

Algumas pessoas desistem ao ver o paredão, minha amiga mesmo quase desistiu. Enquanto eu subia, praticamente tremendo, ela me esperava lá em baixo.

Mas o impressionante, era algumas pessoas subindo a Carrasqueira super rápido! Isso me deu o ânimo que precisava porque tudo era questão de coragem e cuidado.

Consegui subir e a então era só alegria. O caminho para o cume era só de mais alguns metros, por volta de 15 minutos estaria descansando com uma vista maravilhosa. Detalhe que nesse trajeto, passe-se por um penhasco que já tem uma vista linda!

 

Rapel

Ah, você tem medo de altura e de jeito nenhum subiria a Carrasqueira? Sem problemas, só fazer como a minha amiga: rapel.

No dia que fomos, o Formiga estava lá descendo e subindo pessoas pelo rapel. Super rápido e seguro, custando R$50 o combo subida e descida.

A minha amiga pagou pelo combo e eu, que nunca fiz rapel, decidi pagar para descer. Só a subida custa R$25 e a descida R$30.

Eu descendo bem plena com sol de 30º no rosto

O Cume

A vista impressiona, dá para ver bem São Conrado e a Pedra Bonita e se o tempo estiver bom, terá céu azul como no vídeo abaixo.

Aproveite para descansar o máximo em qualquer lugar da pedra, espaço é que não falta. Mas caso queira um pouco mais de aventura, o outro lado da pedra tem mais uma trilhinha que segue para um outro ponto. Infelizmente não posso falar dele pois acabei não indo. Estava bem cansada para mais uma escada rs.

 

 

A volta de trilha

A volta não tem novidade, é o mesmo trajeto. Porém mais rápido porque para descer, todo santo ajuda. O único incomodo pode ser com relação aos joelhos já que a descida força bastante eles. Então pare de vez em quando para dar uma descansada no corpo.

Para descer a Carrasqueira, como a maioria acha, é mais fácil que a subida. Então descer o paredão é bem mais tranquilo. Ou desça de rapel, que é bem tranquilo também.

Na trilha, aproveite para pegar a água da bica que fica nas pedras que citei anteriormente.

uma pequena fila para descer a Pedra da Gávea. Como é um pouco complicado, algumas pessoas demoram mais

 

O que levar

  • Dois litros de água
  • Lanches: barrinha de cereal, pão, bolachas/biscoito…
  • Frutas: maçã, banana, damasco, tomate cereja, ameixa…
  • Protetor solar
  • Repelente
  • Boné ou viseira
  • Celular para tirar várias fotos
  • Dinheiro para o rapel (caso opte por fazer)
  • Documentos

Dica: Vá de tênis ou bota de trilha e use roupas leves.


 

Informações

Endereço: Parque Nacional da Tijuca

Horário de funcionamento: 8h as 17hs (até às 18hs no verão)

Percurso total: 6km (ida e volta)

Elevação: 842m

Desenvolvedora de aplicativos, leitora de romances históricos e fantasias, apaixonada por animais, voluntária de abrigos para cães e gatos e viaja para escrever mais e incentivar outros a fazerem o mesmo.

1 thought on “Pedra da Gávea – tudo o que você precisa saber sobre a trilha e o rapel”

Deixe uma resposta