Paranapiacaba, nossa cidade inglesa!

Fiquei bem animada por ir conhecer Paranapiacaba. Quase fui pesquisar TUDO sobre lá (como faço sempre antes de ir viajar hahaha), mas dessa vez quis me surpreender. Felizmente, foi exatamente isso que aconteceu! A cidade é aconchegante, encantadora e ao mesmo tempo cheia de atividades como: trilhas, ecoturismo e festivais. Ainda encontrei ciclistas e me assustei com um grupo de motocross! (queria saber de onde surgiram, sério).

Já tinha ouvido falar bastante dessa cidade mas não me importava muito de ver como iria até lá. Até que um dia, vi um evento no facebook de um grupo que estava marcando para se reunir no metrô Brás e partir rumo a Paranapiacaba. Na mesma hora já sai convidando meio mundo, mas no final fomos minha prima e eu.

Trem antigo visto a partir da ponte entre a parte Alta e parte Baixa de Paranapiacaba

Esse grupo do Facebook faz trilhas e corridas regularmente e sempre partem para os melhores lugares para se visitar. Eles são os Desbravadores de Sampa, vale a pena dá uma olhada nos eventos e ver qual o próximo lugar que irão!

Ir com quem já conhece o caminho é ótimo! Mas chegando lá, eu e minha prima acabamos pegando caminho diferente do grupo. Não deu para resistir quando vimos aquelas locomotivas, logo partimos para a nossa primeira parada: Museu Tecnológico Ferroviário Funicular (que nome enorme!).

Museu Ferroviário

É um ponto importante para quem quer conhecer a história da cidade. Tudo começou por causa da ferrovia, que também foi a primeira de São Paulo.

Só para ressaltar que todas as peças e máquinas foram importadas da Inglaterra, até as casas foram construídas no mesmo modelo. Nelas moravam as famílias inglesas e  os funcionários. Também foi importado o relógio estilo Big Ben, construído na Inglaterra mesmo.

O museu na verdade eram antigas casas de máquina e dá para ver até os trilhos antigos que continuam lá. Além de algumas locomotivas também.

O museu tem o antigo pátio de manobra, alguns carros esperando reforma e a entrada para o Primeiro Sistema Funicular. Lá tem peças que ajudavam na construção de locomotivas e também têm salas administrativas do tempo.

Antiga peça para rodar o trem exposta no museu Ferroviário de Paranapiacaba.

Saindo de lá já vemos uma área com mais vagões, rodas enormes e a entrada para a 5ª Machina – Novos Planos Inclinados. Aqui a parte que mais gostei. Pois tem a locomotiva que levava Don Pedro II, um carro fúnebre que não ousei chegar perto, e a primeira locomotiva a passar pelo treixo Jundiaí-Santos!

Foto da locomotiva que levava Don Pedro II

Uma coisa diferente que tem também, é um poço da Samara, que é aberto na parte de baixo e dá para entrar e ficar literalmente no fundo do poço.

Funcionamento: Sábados e domingos, das 10h às 16h.

Entrada: R$ 5,00

Parte Alta e Parte Baixa

Como dito antes, as casas de estilo inglês eram distribuídas para as famílias inglesas e depois para os funcionários, porém sempre de forma hierárquica. Mas isso era na Parte Baixa, conhecida também como Vila Martin Smith. Esse local teve ampliamento e ganhou saneamento básico e calçamento logo depois da duplicação da linha (ferrovia que saia de lá até a Luz, na capital).

Foto que mostra uma grande área da Parte Baixa de Paranapiacaba.

A Parte Alta ou Morro era onde os trabalhadores menos favorecidos moravam, geralmente portugueses e seus descendentes. A maioria tinha deixado Mogi das Cruzes para Paranapiacaba atrás de novos trabalhos.

Por esse motivo, as casas são no estilo português, de fachada única e com ruas bem estreitas. É na parte alta também, que está a Igreja Bom Jesus.

Imagem que mostra as casas da Parte Alta de Paranapiacaba.
Créditos: Flickr de adilsonkarafa

Cambuci

Eu nem sabia que cambuci era uma fruta hahahaha, mas é um símbolo de Paranapiacaba. Tudo é de Cambuci: suco, sorvete, geladinho sacolé… Só para constar, é uma delícia e tem que provar se passar por lá!

Inclusive no mês de abril tem o festival do Cambuci onde eles dão a oportunidade de conhecer a árvore e todo o processo. Há também oficinas de artesanato, gastronomia e apresentações musicais.

Copo de suco de Cambuci com a própria fruta ao lado.
Créditos: http://www.institutoaua.org.br/

 

Passei ainda por umas das trilhas do Parque Municipal Nascentes mas ficará para outro post! ATUALIZADO! Já temos o texto sobre a Trilha da Pontinha, clique aqui.

Como chegar em Paranapiacaba:

  • Transporte público: Ir até o metrô Brás e pegar o trem até Rio Grande da Serra. Chegando na estação final, tem um ônibus direto para a cidade que dura cerca de 15 minutos.
  • Trem Expresso Turísmo: Funciona somente aos domingos saindo da Estação Luz e também da Estação Prefeito Celso Daniel – Santo André. Sai entre 08h30~9h e volta as 16h30. Os valores podem ser vistos aqui neste link.

Desenvolvedora de aplicativos, leitora de romances históricos e fantasias, apaixonada por animais, voluntária de abrigos para cães e gatos e viaja para escrever mais e incentivar outros a fazerem o mesmo.

Deixe uma resposta

6 comentários para “Paranapiacaba, nossa cidade inglesa!”

    1. Obrigada!! Que bom que gosta!
      Agora Paranapiacaba é um sonho para todos que amam trilhas, e precisamos dar mais dicas sobre essa cidade linda!