Na trilha da Ferradura, a água em direção a queda da cachoeira. Vista para a cidade de Cubatão.

Conheça 3 cachoeiras imperdíveis na Trilha da Ferradura

Na verdade, são mais de 3 cachoeiras! Sim, na Trilha da Ferradura tem várias, podendo conhecer até 7 cachoeiras. Aqui vou citar as 3 grandes que conheci por lá: Cachoeira da Fumaça, Escondida e Cristal. Mas outras menores pelo caminho e outra “esticando” a trilha para outro lado hehehe.

Antes de começar a falar da Trila da Ferradura vou ressaltar aqui:


FAZER TRILHAS NESSA REGIÃO SEM GUIA CREDENCIADO É PROIBIDO PELA PREFEITURA DE SANTO ANDRÉ.

Fazer essa trilha ou acampar na região é clandestino e dependendo da hora, há fiscais prontos para multar as pessoas.

A multa ambiental é de cerca de R$1000. Então lembre-se: procure um guia credenciado.


Quer trilha totalmente liberada pela prefeitura? Conheça a Trilha da Pontinha! Além de ser fácil, ainda tem um rio para aproveitar bastante.

 

Como chegar na Trilha da Ferradura

Vista da cidade de Cubatão ao fundo a partir da cachoeira da Fumaça na trilha da Ferradura
Cidade de Cubarão ao fundo! A vista é linda demais <3

Localizada em Paranapiacaba, o jeito mais comum de ir é de trem. A estação final é a Rio Grande da Serra e é o ponto para várias trilhas da região.

Para chegar nas entradas das trilhas chame um carro ou van. Eles ficam na saída do trem Rio Grande da Serra (em frente a padaria Barcelona), e custa R$5 por pessoa. Aproveita e já marca para buscar na volta da trilha também :).

A trilha da Ferradura tem possibilidade de começar por 2 lugares. Isso porque a trilha tem formato de ferradura mesmo, onde uma ponta é a Cachoeira da Fumaça e a outra a Cachoeira Cristal.

Eu particularmente acho melhor começar entrada da cachoeira da Fumaça. Pois, é no caminho dela que tem mais lama e também voltar por ela é mais complicado. Aposto que ninguém quer sair da trilha cheio de lama, certo?

Saindo da trilha pela Cachoeira Cristal, a pessoa sai mais limpinha e também a subida é bem mais tranquila.

 

Dificuldade da Trilha

Mapa via satélite do percurso da Trilha da Ferradura. Imagem retirada do wikiloc
Mapa tirado do meu percurso via Wikiloc

=> MODERADA.

Isso é o que muitos dizem mas, se você não tem hábito de trilhar por pedras e rios, ela pode ser mais difícil.

Além de exigir mais esforço físico, é uma trilha que precisa ficar atento. Isso porque a Cachoeira da Fumaça é um pouco perigosa, isso sem mencionar o Portal e o Vale da Morte.

Pelo nome já viu, né?

Na verdade, o Portal nada mais é do que uma subida só por pedras e rio. Subindo ela, chegará nas cachoeiras Escondida e Cristal. Descendo o vale, chega no Vale da Morte e na Garganta do Diabo, onde tem mais cachoeiras e encontro de três rios.

Como podemos ver os nomes não são muito agradáveis hahahaha.

 

Se preparando para a trilha

Minhas botas de trilha com fundo para um rio
Minhas ex botinhas pq depois desse dia, JÁ ERA!

O que levar:

  • 2 litros de água
  • Frutas
  • Lanches (barrinhas, pão, tomate cereja, damasco, castanhas)
  • Protetor solar
  • Repelente
  • Roupa de banho e toalha
  • Chinelo e roupa extra (para a saída da trilha)
  • Kit de primeiro socorros
  • Kit emergência (lanterna, corda, GPS…)
  • Sacolinha de lixo (preserve sempre a natureza)

* Vá de bota de trilha ou um tênis que não escorregue em pedras
 

Prevenção:

Veja a previsão do tempo para ver o risco de chuva. N

o verão é mais perigoso fazer as trilhas em São Paulo. Isso porque pode haver trombas d’água.

No caso da trilha da Ferradura é perigoso porque alguns pedaços da trilha se faz pelo rio. Na cachoeira da Fumaça (você passa por cima dela praticamente), e também no Portal o volume de água pode impedir de fazer a travessia.
 

Detalhes sobre a Trilha da Ferradura

  • Extensão => 8 kilometros
  • Elevação máxima => 780 metros de altura
  • Elevação mínima => 535 metros de altura
  • Termina no ponto de partida => Não

 

Relato da Trilha da Ferradura

1ª parte: Inicio da Trilha até o Fundo da “ferradura” – Cachoeira da Fumaça

Eu fui com amigos, sendo um deles o guia que nos levou. Começamos pela entrada da Cachoeira da Fumaça as 08h da manhã. A primeira parte do caminho é tranquila, tendo somente lama como dificuldade.

Durante um tempo a trilha é somente pelo mato, até que finalmente vimos a prainha. Primeiro ponto com água para quem quiser aproveitar.

um pequeno lago que cerca um montinho de areia. Há alguns rapazes na areia conversando.
Prainha

Nós não paramos nela pois a trilha estava apenas começando e ainda tinha muito mais pela frente.

Logo em seguida, já começamos a molhar os pés, algo normal na Trilha da Ferradura. Então não tenha medo de enfiar o pé no rio. Na verdade, é até mais seguro andar assim do que tentando se equilibrar nas pedras. O risco da pedra está escorregadia ou solta é alto.

Falando em água, a cachoeira da Fumacinha foi a primeira que avistamos. Ela é pequena mesmo e se comparar com a Fumaça, aí sim que a Fumacinha vira uma anã.

 

Quanto mais próxima da cachoeira da Fumaça, mais difícil fica para caminhar. Chega uma hora que só escorregando de bunda para descer direito hahaha.

Ao chegar nela, estamos no topo da cachoeira e esse é o perigo dela pois, imagina a altura! Pois, é. Melhor tomar cuidado por aqui… Eu me aventurei (assim como muitos), e fui na boca para tirar minha foto com vista para Cubatão.

Eu sentada na beirada da cachoeira em uma pedra que não cai água. A vista ao fundo tem montanhas e a cidade de Cubatão
Euzinha bem louca no topo da cachu da Fumaca

Logo depois descemos a cachoeira e ela se mostrou mais bonita ainda. Ah e não pense que é tranquilo descer por aqui. Terra molhada (lama), e as pedras escorregadias não ajudam muito no nosso equilíbrio.


 
Após descer toda a cachoeira da Fumaça, já nos preparamos para chegar até o ponto mais fundo da “ferradura” e então começar a subida. Nesse ponto, alguns seguem para o Vale da Morte + Garganta do Diabo. Nós preferimos deixar para outro dia pois, tinha risco de chover no dia e não era uma boa ideia descer para o encontro de 3 rios.
 

2ª Parte: Subida do Vale da Morte até a Cristal

Foto tirada do topo do Portal com vista para uma descida cheia de pedras que se estende até bem longe
Repare na descida. O desfiladeiro é todo em pedra. Esse é o caminho que se sobe (ou desce).

Com escalaminhada constante, subimos todas essas pedras do Portal. Foi justamente aqui que tive meu maior susto: escorreguei ao subir uma pedra com queda d’água. Felizmente, eu estava usando luvas de escalada e ajudaram a evitar uma queda horrível. Não era tão alto (uns 2 metros no máximo), mas embaixo era só pedra e isso já é perigoso demais.

Depois desse susto, a felicidade de ver mais duas cachoeiras lindas: Escondida primeiro e mais para frente a Cristal.

Mas nem tudo são flores e é na Cristal que muito acampam, e acabam deixando seu lixo na natureza. Tinha MUITO LIXO lá. Muito! Ver isso é extremamente decepcionante. Por isso que repito: recolha se lixo e leve embora, por favor.

Foto da cachoeira, não muito alta mas com bastante água em queda
Cachoeira Cristal

Concluímos a trilha em 5 horas. Um tempo muito baixo comparado com os demais, porém estávamos em 5 pessoas e todos tinham um bom condicionamento além, de serem habituados a trilhas desse nível.

Passamos numa sorveteria ao lado da Padaria Barcelona e nos acabamos no açaí, que não é dos melhores kkkkk

Pretendo voltar mas agora para descer até a Garganta do Diabo. Sou dessas.

Deixe uma resposta